O portal de quem fala português
Busca inteligente no site
Dicas
de Busca
Língua Portuguesa
Dicionário de Dificuldades da Língua PortuguesaSimuladosProvas ComentadasTudo Sobre...Texto da SemanaOficina de RedaçãoClube de Análise SintáticaVícios de LinguagemBanco de QuestõesConjugador VerbalInterpretação de TextosDicionários
Literatura
Resumos Literários Dicionário de Literatura Seu Espaço Literário Do Quinhentismo ao Modernismo Agenda Histórico-Literária
Diversão
Solte o riso... Letras de músicas
 
MAL SECRETO
Ficha do Texto

FICHA DO TEXTO

1. Nível das questões: médio e superior.

2. Finalidade: vestibulares e concursos.

3. Quantidade de questões: onze.

4. Tópicos gramaticais abordados: análise de texto, figuras de linguagem, análise fonética, análise sintática, análise morfológica, uso de pronomes, metrificação.

5. Exercícios e respostas: João Batista Gomes.

Leitura

MAl SECRETO

           Raimundo Correia

 

Se a cólera que espuma a dor que mora

N`alma, e destrói cada ilusão que nasce,

Tudo que punge, tudo que devora

O coração, no rosto se estampasse;

 

Se se pudesse, o espírito que chora,

Ver através da máscara da face,

Quanta gente, talvez, que inveja agora

Nos causa, então piedade nos causasse!

 

Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa!

 

Quanta gente que ri, talvez existe,

Cuja ventura única consiste

Em parecer aos outros venturosa!

 

Exercícios

01. Sobre o poema em questão, são feitas as seguintes afirmações:

I   Ocorre enjambement nos versos 1/2, 3/4 e 7/8.

II  Alguns exemplos de rimas ricas se encontram nos seguintes pares de versos: 5/7, 6/8, 9/10 e 12/13.

III Há, no poema, regularidade métrica.

IV Ocorre sinérese no verso 8.

V  Todas as rimas do poema são soantes.

Estão corretas:

a) Todas as afirmações.

b) Todas as afirmações, exceto a II.

c) Apenas as afirmações II, III e IV.

d) Apenas as afirmações I, IV e V.

e) Apenas as afirmações I, III e V.

02. Sobre a primeira estrofe do soneto, abaixo transcrita, julgue as afirmações.

Se a cólera que espuma a dor que mora

N`alma, e destrói cada ilusão que nasce,

Tudo que punge, tudo que devora

O coração, no rosto se estampasse;

a. (  ) Todos os "ques" da estrofe têm função de sujeito.

b. (  ) Há, na estrofe, exemplo de apóstrofo.

c. (  ) Os verbos "espumar", "destruir", "pungir" e "devorar" estão empregados com igual regência.

d. (  ) O verbo "devorar" foi empregado em sentido conotativo.

e. (  ) Há, na estrofe, exemplo de hipérbato

03. Sobre a segunda estrofe do soneto, abaixo transcrita, escolha a afirmação incorreta.

Se se pudesse, o espírito que chora,

Ver através da máscara da face,

Quanta gente, talvez, que inveja agora

Nos causa, então piedade nos causasse!

a) No verso 1, justifica-se a próclise pela presença da conjunção adverbial condicional. 

b) O substantivo "espírito" é o sujeito de "chora".

c) O verbo "poder" (verso 2) está empregado como auxiliar.

d) O pronome "nos" (verso 4) tem função de objeto indireto.

e) O substantivo "piedade" é o objeto direto de "causasse".

04. Sobre a terceira estrofe do soneto, abaixo transcrita, escolha a afirmação incorreta.

Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa!

a) O "que" do verso 1 é pronome relativo com função de sujeito.

b) O verbo "guardar" está empregado como transobjetivo.

c) Os adjetivos "atroz" e "recôndito" têm função de predicativo do objeto.

d) Há, na estrofe, exemplo de predicado verbo-nominal.

e) Os adjetivos "atroz" e "recôndito" estão empregados como sinônimos.

05. Sobre a quarta estrofe do soneto, transcrita a seguir, julgue as afirmativas.

Quanta gente que ri, talvez existe,

Cuja ventura única consiste

Em parecer aos outros venturosa!

a. (  ) O "que" do verso 1 tem função de sujeito.

b. (  ) O vocábulo "cuja" é pronome relativo com função de adjunto adnominal.

c. (  ) A oração "Em parecer aos outros venturosa" é subordinada substantiva objetiva indireta, reduzida de infinitivo.

d. (  ) A expressão "aos outros" tem função de complemento nominal.

e. (  ) O adjetivo "venturosa" tem função de predicativo do sujeito.

06. Opte pelo item com análise fonética errada.

a) quanta = ditongo crescente nasal e dígrafo.

b) gente = dígrafo.

c) em = ditongo decrescente nasal.

d) nasce = encontro consonantal.

e) estampasse = um encontro consonantal e dois dígrafos.

07. Os vocábulos "invisível" e "venturosa" foram formados, respectivamente, pelo processo de:

a) derivação prefixal e derivação sufixal.

b) derivação prefixal e derivação parassintética. 

c) derivação prefixal e derivação regressiva.

d) derivação sufixal e derivação sufixal.

e) derivação sufixal e derivação regressiva.

08. Opte pelo item em que as palavras levam acento gráfico pela mesma razão:

a) destrói e ilusão.

b) destrói e através.

c) invisível e cólera.

d) invisível e recôndito.

e) recôndito e espírito.

09. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Se a cólera que espuma a dor que mora

N`alma, e destrói cada ilusão que nasce,

Tudo que punge, tudo que devora

O coração, no rosto se estampasse;

a) objeto indireto e objeto indireto;

b) objeto indireto e adjunto adverbial;

c) adjunto adverbial e objeto indireto;

d) adjunto adverbial e adjunto adverbial;

e) adjunto adverbial e objeto direto preposicionado.

10. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa!

a) adjunto adnominal e adjunto adverbial;

b) adjunto adnominal e objeto indireto;

c) adjunto adnominal e objeto direto;

d) adjunto adverbial e adjunto adverbial;

e) adjunto adverbial e objeto indireto.

11. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Quanta gente que ri, talvez existe,

Cuja ventura única consiste

Em parecer aos outros venturosa!

a) sujeito e adjunto adnominal;

b) sujeito e adjunto adverbial;

c) sujeito e predicativo do sujeito;

d) objeto direto e adjunto adnominal;

e) objeto direto e predicativo do sujeito.

 

Respostas

01. Sobre o poema em questão, são feitas as seguintes afirmações:

I   Ocorre enjambement nos versos 1/2, 3/4 e 7/8.

II  Alguns exemplos de rimas ricas se encontram nos seguintes pares de versos: 5/7, 6/8, 9/10 e 12/13.

III Há, no poema, regularidade métrica.

IV Ocorre sinérese no verso 8.

V  Todas as rimas do poema são soantes.

Estão corretas:

a) Todas as afirmações.

b) Todas as afirmações, exceto a II.

c) Apenas as afirmações II, III e IV.

d) Apenas as afirmações I, IV e V.

e) Apenas as afirmações I, III e V.

02. Sobre a primeira estrofe do soneto, abaixo transcrita, julgue as afirmações.

Se a cólera que espuma a dor que mora

N`alma, e destrói cada ilusão que nasce,

Tudo que punge, tudo que devora

O coração, no rosto se estampasse;

a. (V) Todos os "ques" da estrofe têm função de sujeito.

b. (V) Há, na estrofe, exemplo de apóstrofo.

c. (V) Os verbos "espumar", "destruir", "pungir" e "devorar" estão empregados com igual regência.

d. (V) O verbo "devorar" foi empregado em sentido conotativo.

e. (V) Há, na estrofe, exemplo de hipérbato.

03. Sobre a segunda estrofe do soneto, abaixo transcrita, escolha a afirmação incorreta.

Se se pudesse, o espírito que chora,

Ver através da máscara da face,

Quanta gente, talvez, que inveja agora

Nos causa, então piedade nos causasse!

a) No verso 1, justifica-se a próclise pela presença da conjunção adverbial condicional. 

b) O substantivo "espírito" é o sujeito de "chora".

c) O verbo "poder" (verso 2) está empregado como auxiliar.

d) O pronome "nos" (verso 4) tem função de objeto indireto.

e) O substantivo "piedade" é o objeto direto de "causasse".

04. Sobre a terceira estrofe do soneto, abaixo transcrita, escolha a afirmação incorreta.

Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa!

a) O "que" do verso 1 é pronome relativo com função de sujeito.

b) O verbo "guardar" está empregado como transobjetivo.

c) Os adjetivos "atroz" e "recôndito" têm função de predicativo do objeto.

d) Há, na estrofe, exemplo de predicado verbo-nominal.

e) Os adjetivos "atroz" e "recôndito" estão empregados como sinônimos.

05. Sobre a quarta estrofe do soneto, transcrita a seguir, julgue as afirmativas.

Quanta gente que ri, talvez existe,

Cuja ventura única consiste

Em parecer aos outros venturosa!

a. (V) O "que" do verso 1 tem função de sujeito.

b. (V) O vocábulo "cuja" é pronome relativo com função de adjunto adnominal.

c. (V) A oração "Em parecer aos outros venturosa" é subordinada substantiva objetiva indireta, reduzida de infinitivo.

d. (V) A expressão "aos outros" tem função de complemento nominal.

e. (V) O adjetivo "venturosa" tem função de predicativo do sujeito.

06. Opte pelo item com análise fonética errada.

a) quanta = ditongo crescente nasal e dígrafo.

b) gente = dígrafo.

c) em = ditongo decrescente nasal.

d) nasce = encontro consonantal.

e) estampasse = um encontro consonantal e dois dígrafos.

07. Os vocábulos "invisível" e "venturosa" foram formados, respectivamente, pelo processo de:

a) derivação prefixal e derivação sufixal.

b) derivação prefixal e derivação parassintética. 

c) derivação prefixal e derivação regressiva.

d) derivação sufixal e derivação sufixal.

e) derivação sufixal e derivação regressiva.

08. Opte pelo item em que as palavras levam acento gráfico pela mesma razão:

a) destrói e ilusão.

b) destrói e através.

c) invisível e cólera.

d) invisível e recôndito.

e) recôndito e espírito.

09. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Se a cólera que espuma a dor que mora

N`alma, e destrói cada ilusão que nasce,

Tudo que punge, tudo que devora

O coração, no rosto se estampasse;

a) objeto indireto e objeto indireto;

b) objeto indireto e adjunto adverbial;

c) adjunto adverbial e objeto indireto;

d) adjunto adverbial e adjunto adverbial;

e) adjunto adverbial e objeto direto preposicionado.

10. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,

Como invisível chaga cancerosa!

a) adjunto adnominal e adjunto adverbial;

b) adjunto adnominal e objeto indireto;

c) adjunto adnominal e objeto direto;

d) adjunto adverbial e adjunto adverbial;

e) adjunto adverbial e objeto indireto.

11. Dada a estrofe seguinte, opte pela letra em que se apontou, na ordem, a função sintática das palavras em destaque.

Quanta gente que ri, talvez existe,

Cuja ventura única consiste

Em parecer aos outros venturosa!

a) sujeito e adjunto adnominal;

b) sujeito e adjunto adverbial;

c) sujeito e predicativo do sujeito;

d) objeto direto e adjunto adnominal;

e) objeto direto e predicativo do sujeito.

 
Usuário conectado
Loja
LINGUATIVA – O Portal de quem fala português
© Copyright 2000–2018 – Linguativa Ltda. – Todos os direitos reservados